sábado, 22 de março de 2014

NATAN CASTRO ENTREVISTA FERNANDO ATALLAIA PARA O BLOG TEMPO DE MÚSICA

Entrevista - Fernando Atallaia (Parte II)  


Segunda parte da entrevista desse artista que é tido por alguns como o mais prolífico de uma geração e por outros como um verdadeiro pária, detentor de uma visão bastante critica sobre diversos assuntos, dentre eles a cultura. Assunto esse que é a tônica dessa segunda parte da entrevista concedida a Natan Castro. 

Blog Tempodemúsica- Já tem algum tempo que você vem divulgando em seu blog, e em alguns jornais da grande Ilha o Movimento Baluarte. Do que trata esse movimento e quais são os outros integrantes, além de você mesmo?



Fernando Atallaia- O movimento foi fundado por mim em 2010, e contou com um lançamento oficial no projeto ''Canto da Ema'', à época com sede em Paço do Lumiar. Acreditamos ser o Baluarte o único movimento de caráter reflexivo e afeito ao debate cultural no estado, e com a capacidade de pensar as artes e o fenômeno cultural sob os mais diversos prismas. Há um manifesto igualmente lançado, onde há a síntese englobadora de nossas intenções. Além de mim, nomes expressivos da modernidade artística maranhense integram o MSCB( sigla para Movimento da Mobilização social e Cultural Baluarte), a exemplo dos cantores e compositores Fábio Allex, Santa Cruz, Célia Leite, Allysson Ribeiro, Fran Moreira,Well Matos,  Riba Salgueiro, Marcos Boa Fé, Célia Sampaio. Só para citar alguns. Há representantes também nas cidades de Raposa, Pinheiro, São José de Ribamar, Alcântara, Caxias, Paço do Lumiar e Pedreiras. 



Blog Tempodemúsica- A música produzida no Maranhão começou a ser denominada por alguns no início dos anos noventa, como “MPM”. Sendo a mesma uma regionalização da sigla nacional conhecida como “MPB”, gostaria que você falasse da sigla e nos dissesse em que ponto ela se difere de outra sigla criada por você, a “MPU”?
Fernando Atallaia- O Movimento Baluarte repudia essas designações grosseiras e limitativas. Quando lançamos a MPU, que significa Música Popular Universal, foi justamente como maneira de mostrar o quanto se pensou de forma medíocre o fazer musical no Maranhão. É uma forma de dizer não a essas nomenclaturas escrotas que tentam reduzir o artista do estado a uma configuração pequena. À própria pequenez. Diga-me, você já ouviu falar algum dia em MPC, Música Popular Carioca? A resposta é não. Mas aqui no Maranhão foi colocado e colou. E o que nós ganhamos com isso? A nefasta posição contrária de nosso povo e seu niilismo por nossa musicalidade. Sua negação. Nosso movimento é contra esse reducionismo. Essa coisa de música maranhense não existe. Nunca existiu, assim como não existe MPI, Música Popular Irlandesa, por conseguinte, não existe MPB. Esse protecionismo é bobo, imaturo e atrapalha na construção de uma real dimensão de nossa portentosa cultura musical. Em contrapartida, agora todos tem a MPU, que pode ser ao mesmo tempo a música do Maranhão e o Folk norte-americano; a música Celta e o Samba brasileiro. A quem acha que essa discussão acaba no campo da estética, gostaria de dizer que estamos falando da deflagração de uma realidade que nos foi usurpada, ultrajada, roubada. Sempre nos privaram do direito de  ser universal.  Podaram-nos e aceitamos. O movimento Baluarte indica o caminho para um despertar. Para a consciência multicultural num estado onde a música folclórica  impera como símbolo  maior de nossa representatividade. O que é uma grande mentira. 



Blog Tempodemúsica- O Maranhão é reconhecido atualmente como o Estado que possui a maior diversidade de ritmos do Brasil. Ainda no século XIX era conhecido como Atenas Brasileira, haja vista a quantidade de intelectuais que surgiam vindos dessas terras. Em 2007 o tambor de crioula foi alçado a patrimônio cultural imaterial Brasileiro, temos dois dos maiores poetas brasileiros da atualidade Ferreira Gullar e Nauro Machado, fora as demais personalidades que se sobressaem no campo da cultura, todos filhos do Estado. Em face dessas constatações qual seria a causa, se é que existe uma ou várias, que fazem o Estado não possuir um lugar de expressão na cultura no âmbito nacional nos dias atuais?  


Fernando Atallaia- Essas ‘’honrarias’’, homenagens e mesmo a nossa diversidade rítmico-musical nunca atuaram como protagonistas do espetáculo. Esta é a razão. Nossas expressões mais ricas sempre foram utilizadas ao bel prazer daqueles que vez por outra se utilizam delas como pano de fundo para a construção de um marketing ilusório.  Diferentemente de estados como Bahia, Pará e Pernambuco, onde alguns governos investiram na Cultura, concebendo o seguimento como força autóctone, livre e área emblemática da governabilidade. Haveria de ter, claro, um esforço conjunto e agregador que na prática teria de mobilizar a indústria cultural( fonográfica, editorial, e de marketing cultural) ao lado das políticas públicas para Cultura, para se iniciar o processo de chegada a este âmbito. Agora falar nestes termos num estado onde se aprisiona o seguimento em ridículos dois únicos momentos,  e dentro da parca promoção de eventos é no mínimo patético. Qualquer indivíduo sem o mínimo de consciência do que acontece em nossa capital , em nosso estado, saberá conhecer o Maranhão pelo Carnaval e São João, duas datas que  hoje são tidas  como sendo a voz da cultura e dos artistas de todo um estado, rico, literária e artisticamente, como você bem frisou. Aí a mim, eu pergunto: nossa Música Erudita, não existe? Nossas bandas de Rock in Roll não existem? Nossas Artes Plásticas não existem? E a nossa Dança, o nosso Teatro? Vou ficar por aqui. Porque boa parte dessa infame realidade imposta por nossos governos tem muita conivência de alguns viciados em alimentar essa cultura do Pão e Circo. Então, é simples.  Enquanto este conceito não mudar, não teremos essa tão esperada representatividade nacional. Esse estopim cultural que já deveria ter acontecido desde os anos 70. 



Blog Tempodemúsica- A qualidade de nossos compositores é conhecida por muitos há bastante tempo. No final dos anos sessenta e inicio dos anos setenta vimos a música da Bahia e logo depois a de Minas Gerais explodindo no cenário musical brasileiro, nos anos oitenta tivemos o rock de Brasília, nos noventa tivemos a explosão do Mangue Beat em Recife e atualmente a música Paraense vive seu apogeu de reconhecimento. A seu ver a música maranhense será a próxima? Ou não? Por que ainda não chegou a hora?  E qual seria a bola vez?

Fernando Atallaia- A exaustivamente intitulada música maranhense não tem vez pelo simples fato de ela nem sequer existir. Música é música e sempre retorna ao seu conceito originário. Música é combinação de sons, vozes, intenções, e música popular é diálogo com o povo, com o público. O que a música produzida hoje no Maranhão tem de relação dialógica com o seu público, com as pessoas, com o seu povo? Absolutamente nada ou quase nada. Uma música ‘’explode’’ em seu próprio estado quando representa as aspirações de seu povo e não as conveniências de seus governantes. Veja, o Manguebeat. Os recifenses, os pernambucanos veneram, protegem e foi sucesso lá, primeiramente. Em nosso estado há bons compositores, mas eles são espinafrados pelas secretarias, pela má vontade, pelas burocracias, pelos governos. Em outros estados já seriam ídolos e viveriam de sua arte musical. Aparições isoladas não vão resolver e minimizar o problema.  Estamos no olho do furacão. No centro de um problema sério. De um problema cultural que deve ser pensado sob pena de nossas maiores expressões musicais e artísticas não fornecerem ao seu tempo e à posteridade o que construíram ao longo de suas vidas como legado. Somos um estado que não dar a mínima para a memória musical e carreiras como as  de Alcione, Rita Ribeiro, Dilú Melo, Zeca Baleiro, João do Valeu e alguns outros  pertencem ao plano isolado da produção fonográfica, portanto não nos representam.

Blog Tempodemúsica- Temos duas instituições uma do Estado (SECMA) e outra da cidade de São Luis (FUNC), responsáveis pelo fomento da cultura no Maranhão. Qual sua opinião sobre os trabalhos das duas e qual papel elas vem desempenhando na disseminação da cultura em nosso Estado.
 Fernando Atallaia- Não fomentam, nem desempenham papel algum. Abrem as pernas para os artistas de outros estados a quem pagam com nosso dinheiro cachês exorbitantes, e dão migalhas para os seus próprios artistas a quem deveriam gerir, respeitar e nutrir. São instituições que gravitam em torno da política de seus mandatários e não apresentam um projeto contínuo, consistente e permanente à classe artista para quem, em tese, deveriam trabalhar. São duas instituições que operam com a mesma lógica e o mesmo conceito que é o de destratar os artistas de nosso estado lhes oferecendo o mínimo e dando o máximo aos das outras regiões. É aquela velha prática do endeusamento daquilo que pode ser vendido como bom  para a população local. Como a ‘’grande atração’’. Essas secretarias são guiadas pelos meios. Quero dizer, meios de comunicação. Deu no The Voice, contrata. Deu no Big Brother, contrata. É por aí. Ambas não tem compromisso algum com o fortalecimento de nossa identidade musical, sua viabilidade e sua difusão.
Blog Tempodemúsica- Gostaria que você comentasse a influência que a política propriamente dita, tem sobre a classe cultural do Estado. E também explicasse porque duas datas, a primeira o Carnaval e a segunda os Festejos Juninos parecem depois de uma análise nocivas à cena cultural do Estado.
 
Fernando Atallaia- A grande maioria dos artistas maranhenses quer dignidade, respeito e quer viver da música que produz. Acontece que o estado não propicia isto e para adestrar a todos, ainda se valendo do que ele mesmo ( estado) cria, passa uma ideia falsa de oportunidade. Tocar no São João e no Carnaval, seriam duas oportunidades. Há também, uma ala de artistas que há muito não são artistas ou talvez nunca o tenham sido, são burocratas, fazem parte do sistema de exclusão cultural dos governos, por essa razão se sentem confortáveis. Uma aprazibilidade perigosa para um estado que não é reconhecido, nem tampouco respeitado por seu povo, ao menos musicalmente. Ouço uma frase há décadas que diz ‘’ tira esse disco daí, isso é música maranhense, não presta’’. A gente ouve isso, todos os dias. Geraram para o público maranhense uma ojeriza à sua própria música, à sua revelia, coisa intencional. E de quem é a culpa? De quem estar lá e que poderia fazer alguma coisa, mas não faz. O cara é cooptado, se cala, ouve ‘’Calcinha com Vinagre’’, Mocotó do Forró’’ o dia todo na Secretaria, mas dentro do carro tira onda de intelectual, vai ouvir Heitor Villa-Lobos, dar uma de agente cultural, vai ler meu blog. Esse dualismo tem levado o Maranhão para o fundo poço e não é de hoje. Mas isso é na superfície. Obviamente, que há engrenagens muito mais pesadas que obstruem de forma direcionada a passagem para a verdadeira condição de grande musicalidade que nós somos. 

Blog Tempodemúsica- Fala-se hoje na formação de uma frente com alguns poucos artistas como você, tal frente teria a missão de fazer o resgate de artistas maranhenses do passado em diversas áreas da cultura. Visando também um encontro de gerações haja vista que muita gente da nova geração desconhece tais nomes. De que forma esse encontro se dará e o que todos os envolvidos esperam do projeto? 
Fernando Atallaia- Eu não sei nem saberia exatamente sobre esta frente. Acho que a palavra em si é meio fantasmagórica, abstrata demais e até golpista. Me propuseram isto uma vez, liderar uma frente e eu não topei. Disse não de cara. É como se uma turma fosse salvar a nossa Cultura em uma semana. Acho pejorativo, surreal. Frente, eu não concebo. Mas nós do MSCB estamos sim nos reunindo e nossos posicionamentos são sempre pautados em nosso Manifesto. O problema da Cultura do Maranhão passa, a meu ver, por ausências gritantes. Precisamos formar público/plateia para nossa música e arte autorais. Precisamos fortalecer nossa identidade cultural com ações sistemáticas e permanentes. Precisamos descentralizar nossa musicalidade em forma de shows para os bairros periféricos e precisamos, sobretudo, acabar com as ‘’pequenas corrupções’’ culturais nas instituições. Aquela coisa de se inserir quem tem  mais a ver com suas convicções pessoais em detrimento do conjunto. Esse espírito de ‘’amizadezinha’’, de panelinha precisa ser expurgado o quanto antes. Faz-se necessário em caráter de emergência o resgate de nossa memória musical e,  claro, a contemplação de nossa modernidade. Esse elo precisa ser construído. Falta apoio para a rapaziada que está fazendo som atualmente na cidade, fazendo Poesia, Escultura, arte em geral. Falta apoio e tudo o mais. Mas certamente não faltará apoio aos shows vindos de outros estados e que serão  comprados à preço de ouro pelas secretarias de cultura do estado e da capital no próximo evento organizado por  ambas. Disso, você pode ter certeza. Mas é contra essa postura que devemos reagir. Todos ganharão. Esperamos que o debate se acirre e que mais e mais pessoas, artistas ou não participem.

20 comentários:

Anônimo disse...

ótima entrevista. falou tudo e mais um pouco. parabéns Fernando!
Patrícia Linhares, Centro

karla disse...

Muito bom .... Parabéns pela entrevista adorei :]

Anônimo disse...

Show de bola- pra la marafolia hehehehe Cesinha Guitarra

Anônimo disse...

Uma visão diferenciada é o que você um grande profissional e um grande amigo.
Parabéns amigo !
Ray

Anônimo disse...

Massa demais, parabens cara, voce é 10
Carlos Henrique, músico profissional de Pedreiras/ma

Anônimo disse...

Muito CONSCIENTE E TEM RAZÃO O ARTISTA, ESSE ESTADO PRECISA SER VALORIZADO PELO GOVERNO E OS MÚSICOS MAIS AINDA. PARABENS PELA GRANDE ENTREVISTA. MUITO ESCLARECEDORA.
FABIANO SANTOS MORO EM S LUIS HA 9 ANOS

José María Souza Costa disse...

Olá.
Muito interessante a temática do teu blogue. Parabéns.
Gostei do que li, e por isso estou a seguir, pelo blogue.
Estou lhe deixando um convite, à visitar, o meu. Muito simples por sinal. Mas, passe por lá. Se desejares, podes seguir. Abraço.

Anônimo disse...

Fodaçoooo na veia hehe massa poeta
adrian musico

Anônimo disse...

TUDO A VER COM A REALIDADE. ACORDA MARANHAO! JEFERSON MÚSICO DE BACABAL

Anônimo disse...

Bem pontual. Conseguiu expor uma das nossas frustrações enquanto maranhense, a falta de visibilidade e uma política de valorização para nossos artistas.

Anônimo disse...

MUITO FÃ DESSE CARA PRA TODA VIDA#
DANI PIMENTINHA A GATA SHOW

Toinho Baqueta disse...

Parabéns Fernando falou tudo. Músicos aki no Maranhão é tratado como se fosse cachorro e isso o governo MSM tem q analisar e respeitar. Vlw Fernando gostei da entrevista músicos aki no Maranhão tem que ser respeitado. Toinho Baqueta aki de são José de Ribamar

Toinho Baqueta disse...

Uma ótima entrevista gostei muio Fernando mandou ver falou tudo e bem mais. O governo tem q valorizar os músicos da terra aki no Maranhão nos músicos somos totalmente desvalorizados e isso eles tem q analisar e respeitar. Vlw Fernando mandou bem. Toinho Baqueta aki de são jose de Ribamar

Toinho Baqueta disse...

Uma ótima entrevista gostei muio Fernando mandou ver falou tudo e bem mais. O governo tem q valorizar os músicos da terra aki no Maranhão nos músicos somos totalmente desvalorizados e isso eles tem q analisar e respeitar. Vlw Fernando mandou bem. Toinho Baqueta aki de são jose de Ribamar

Toinho Baqueta disse...

Parabéns Fernando mandou bem.

Jornal Centelha disse...

Parabéns Fernando! Continue assim. Boa sorte no seu blog e na sua carreira.

Fernanda Vallente disse...

A maioria maranhense foi educada para aceitar como " bom gosto musical/cultural toda e qualquer expressão artística que vem de fora, deixando de lado, ou pior, para trás um passado e presente de grandes nomes, seja na música, poesia ou outras manifestações culturais. Para que o Maranhão seja visto e reconhecido como berço de grandes artistas, é fundamental que o próprio povo valorize o que temos de melhor... E, indiscutivelmente, Fernando Atallaia te grande importância nesse processo de valorização artística, pois através de seu blog, pensamentos e manifestos, podemos pensar e repensar nossos conceitos. Parabéns!

Anônimo disse...

Uma boa iniciativa a criação do movimento e concordo que a música é universal, principalmente com as novas tecnologias, acredito que deveria ter uma melhor politica de incentivo aos produtores e artistas locais, principalmente nos cachês.
Parabéns
Sóstenes

Wilson Oliveira da Silva disse...

A discussão é Boa!
Parabéns!

Marcia Lopes sales disse...

Muito bom,parabéns...temos q valorizar a nossa cultura,e mostrar os artistas perfeitos que temos.

Postar um comentário

Fernando Atallaia. Tecnologia do Blogger.

  ©Blog do Fernando Atallaia - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo